noticias


31/05/2012 -
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Governo pode reverter medidas restritivas se crise se agravar
 
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

 

O governo brasileiro tem uma larga margem de atuação para reagir à crise caso a situação na Europa se agrave a ponto de gerar uma parada abrupta do crédito externo, dentre outros efeitos perversos sobre o país.
 
 
Além de dispor de US$ 372,5 bilhões em reservas cambiais para enfrentar uma escassez temporária de recursos internacionais, há um leque de medidas de restrição cambial tomadas quando a taxa de câmbio se valorizava que poderiam ser alteradas, como o IOF sobre empréstimos externos com prazo inferior a cinco anos e até mesmo a taxação no mercado de derivativos (neste caso, a resistência a mexer é maior).
 
 
Somam-se a isso os cerca de R$ 393 bilhões em depósitos compulsórios  - nível bem superior ao que havia antes da crise de 2008/2009  -  e as medidas macroprudenciais de dezembro de 2010, apenas parcialmente afrouxadas em novembro do ano passado.
 
Há, inclusive, medidas macroprudenciais específicas para restringir os financiamentos de automóveis  -  como maior requerimento de capital dos bancos para operar com esses financiamentos  -  ainda em vigor, apesar da preocupação do Ministério da Fazenda em ajudar as montadoras a vender os 360 mil carros em estoque.
 
A orientação do Palácio do Planalto, porém, é aguardar os acontecimentos ao invés de fazer um "picadinho" de iniciativas de baixo efeito.
 
Se a Grécia sair do euro ou se as lideranças europeias não socorrerem a Espanha, cujo sistema financeiro está extremamente frágil, haverá profundo estresse nos mercados. O governo quer ter munição suficiente para agir e, no que for possível, proteger a economia doméstica desses danos.
 
Na avaliação de assessores da presidente Dilma Rousseff, o afrouxamento das metas fiscais seria das últimas medidas desse cronograma, para ser acionada em caso extremo.
 
Na linha de frente da política macroeconômica está a redução da taxa básica de juros. O Copom se reune hoje e amanhã para decidir sobre mais um corte da Selic, que deve sair de 9% para 8,5% ao ano.
 
Fonte: http://www.valor.com.br


Comentários


Nenhum comentário no momento!



Cadastre o seu comentário
 
Titulo:
Nome:
Email:
 
Comentário

(0 / 1000)
Receber comentários por email:
 
 



Voltar

 


RH AUTOMOTIVE
contato@rhautomotive.com.br (11) 9-9208-9621 (WhatsApp) | (11) 3777-3906
RH AUTOMOTIVE - todos os direitos reservados | Desenvolvimento