noticias


27/01/2012 -
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Você precisa estar no LinkedIn?
 
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

 

Um em cada três profissionais de alto nível no Brasil está no LinkedIn. O que isso muda na forma como as empresas contratam


Ilustração: Fabrício Lopes

Quando saiu da Microsoft, em agosto do ano passado, o administrador de empresas Osvaldo Barbosa de Oliveira estudava três possibilidades: abrir uma startup, trabalhar para um fundo de venture capital ou ir para outra multinacional. Aos 53 anos, ele havia passado 22 anos na Microsoft e criado sua operação de internet no país. Quando soube que o LinkedIn procurava um presidente para montar um escritório no Brasil, resolveu se candidatar. Fez isso usando o próprio LinkedIn. Tinha um amigo que estava conectado a Jeff Weiner, o CEO da empresa, e pediu para ser apresentado. Foi contratado em novembro.

 

Que o LinkedIn contrate seu presidente usando a própria rede não significa grande coisa além da confiança da empresa em seu sistema. O que é digno de nota é que esse recurso de contratação está se espalhando rapidamente. Mariana Hatsumura, de 30 anos, usava o site desde 2008. "Mas não dava muita importância", afirma. "Só entrei porque comecei a receber muitos convites para me conectar." No ano passado, mudou de ideia sobre a rede. Foi convidada para participar do processo de seleção para uma vaga de gerente de marketing da Microsoft. Foi contratada há oito meses. Agora, diz que passou a publicar suas informações com mais detalhes. "Manter o perfil atualizado é uma excelente vitrine."

Será este o futuro da contratação?

Pelo menos para parte dos cargos, isso já está acontecendo. "É uma ferramenta essencial para nós", diz Alexandre Ullmann, gerente de recursos humanos da Microsoft. "Temos preenchido muitas das vagas pelo LinkedIn." A Microsoft já tem conta corporativa no serviço há dois anos. Hoje, todas as posições publicadas no seu site de carreiras vão também para o LinkedIn. Paralelamente, os recrutadores fazem pesquisas no banco de dados do site para identificar candidatos. Foi numa dessas buscas que eles encontraram Mariana.

O Itaú Unibanco adotou o LinkedIn em agosto passado como método de recrutamento para vagas com perfil mais técnico. "Uma das vantagens é que temos um custo menor para identificar e atrair os candidatos. Temos acesso a eles mais rapidamente", diz Marcelo Orticelli, diretor de cultura e gente do banco. O sistema é híbrido: combina o uso de consultorias, da equipe interna e do LinkedIn. Mas as proporções estão mudando. "A tendência é diminuirmos o uso das consultorias."

As empresas de contratação de pessoal dizem não sentir o baque. Algumas nem sequer falam do novo concorrente. Outras se sentem seguras de que a parte mais importante de seu serviço permanece intacta. "Seleção não é só achar pessoas com determinadas características técnicas. Não dá para substituir o olhar humano para avaliar o comportamento", diz Ricardo Haag, sócio-gerente da Asap. A empresa de recrutamento, inclusive, passou a usar o LinkedIn para identificar candidatos. Porém, pelo menos parte do negócio sofre ameaça. Os bancos de dados de pessoal, construídos com investimento não irrisório, estão virando commodity. No modelo tradicional, eles são alimentados pelo processo exaustivo de conhecer, assediar, pesquisar gente nova. No LinkedIn, as próprias pessoas se inscrevem voluntariamente.

US$ 6,3 bilhões é o valor de mercado do LinkedIn 


Para que a rede social vire ameaça, é preciso ter escala. Isso parece ter acontecido. Os 6 milhões de perfis de brasileiros na rede, anunciados pelo LinkedIn no final de novembro, quando inaugurou sua operação no país, representam quase um terço dos 19,3 milhões de profissionais qualificados do Brasil, segundo estatísticas do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Parece que o LinkedIn está conseguindo se transformar no lugar para ver e ser visto profissionalmente (mesmo que você não esteja procurando emprego).

O serviço mantém hoje o maior banco de dados de profissionais do mundo, com 135 milhões de nomes. O site não gasta com busca de cadastros, mas tem de sustentar a plataforma com um conjunto de tecnologias sofisticadas. A equipe do LinkedIn, cuja sede fica no Vale do Silício, na Califórnia, desenvolveu ferramentas que facilitam essas atualizações e estimulam os usuários a se conectar a mais pessoas.

"O LinkedIn se tornou uma ferramenta poderosa. E compete, sim, com as formas tradicionais de recrutamento", afirma Ruy Shiozawa, CEO do Instituto Great Place to Work. Quando precisou encontrar um consultor em gestão de pessoas, há cerca de três meses, ele postou a vaga no LinkedIn. Em cinco minutos, já tinha cinco candidatos. Retirou a oferta quando o número chegou a 300. Então selecionou cem, entrevistou dez, escolheu um.

A rede não vive apenas de ser uma vitrine de empregos. Aliás, ela é uma boa vitrine porque as pessoas não estão lá se oferecendo - pelo menos não de forma escrachada. Ou você acha que Meg Whitman, presidente da HP, está em busca de outro posto? (Em seu perfil, ela elencou sete interesses, entre eles negócios, leitura, caminhada e pesca aérea.) Michael Dell, o fundador da Dell, é recomendado por oito pessoas, mas dificilmente tentará se recolocar. Bill Gates, tampouco (esse está meio pobre de conexões: aceitou só 38). Nem o ator e investidor Ashton Kutcher (tem 56). Esse pessoal está lá porque é uma forma de fazer contatos potencialmente interessantes. O que conta não é a quantidade de contatos, e sim a sua qualidade. É um modelo diferente do de outras redes sociais, em que o número de amigos dá uma medida de popularidade.

Até Mark Zuckerberg, o criador do Facebook, tem um perfil no LinkedIn. Pode ser apenas para investigar a rede concorrente. Mas ele mantém 34 contatos e escreveu uma recomendação para John Love, o dono de uma empresa de recrutamento que o ajudou a montar sua equipe. Pesquisas feitas pelo LinkedIn mostram que 60% dos cadastrados que têm um trabalho se dizem felizes no posto atual. Estão buscando contatos, oportunidades. Shiozawa, do GPTW, afirma já ter recebido convites para palestras a partir de um grupo no site.

Foi nesse nicho que o LinkedIn apostou desde seu lançamento, em 2003. Poucos meses depois dele, entrou no ar o site MySpace, que chegou a ser a maior rede social do mundo. Só que o LinkedIn tinha um propósito mais consistente e floresceu, enquanto o MySpace caiu na irrelevância. Seu faturamento também cresce robustamente. Em 2010, foi de US$ 243 milhões. A expectativa para 2011 é de um aumento de 110%, com algo entre US$ 508 milhões e US$ 512 milhões. Já os lucros... foram menos de US$ 16 milhões em 2010.

Fonte: Época Negocios



Comentários


Nenhum comentário no momento!



Cadastre o seu comentário
 
Titulo:
Nome:
Email:
 
Comentário

(0 / 1000)
Receber comentários por email:
 
 



Voltar

 


RH AUTOMOTIVE
contato@rhautomotive.com.br (11) 9-9208-9621 (WhatsApp) | (11) 3777-3906
RH AUTOMOTIVE - todos os direitos reservados | Desenvolvimento